BOTICAS: Boticas quer afirmar-se no mapa do Nomadismo Digital

2022-10-22 15:35:15

Autarquia garante ter condições para atrair trabalhadores remotos e acolher um projeto de Nomadismo Digital.


O Concelho de Boticas considera-se um destino apetecível para atrair nómadas digitais, ou seja, profissionais de diversas áreas, que trabalham remotamente a partir de qualquer parte do mundo.

''Boticas tem condições para acolher um projeto de nomadismo digital, abrindo assim portas à atratividade e fixação de pessoas no concelho'', disse Guilherme Pires, Vice-presidente do Município de Boticas aquando da iniciativa ''Portugal Nomad Roadshow'', que decorreu na sexta-feira, 21 de outubro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

Em Portugal, este modelo laboral ''tem contribuído para a fixação de população, para o crescimento económico e, de certa forma, turístico das regiões onde estão a ser desenvolvidos'', refere a Digital Nomads Association Portugal (DNA), que organiza este RoadShow por vários concelhos, para dar a conhecer esta ferramenta de trabalho que contribuiu para a descentralização, repopulação e desenvolvimento de economias locais com comunidades globais.

Segundo o Presidente da DNA Portugal, ''os nómadas digitais precisam de coisas básicas para trabalhar, como um espaço acolhedor, devidamente equipado com acesso à internet, onde possam desempenhar as suas funções sozinhos ou em grupo''.

Gonçalo Hall, acrescenta que existem outros fatores muito valorizados por estes profissionais como o contacto direto com as populações, ''pois privilegiam a componente social e de sustentabilidade territorial, sentindo-se integrados na comunidade local'', destacou o responsável pela DNA Portugal.

A cerimónia de apresentação deste projeto contou com a presença do Vice-presidente da Câmara Municipal de Boticas, Guilherme Pires, do Primeiro Secretário da Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega e Barroso (CIMAT), Ramiro Gonçalves, e do Presidente da DNA Portugal, Gonçalo Hall.

Portugal tornou-se um destino favorito para os nómadas digitais e atualmente a ilha da Madeira é uma referência no panorama mundial e mais localidades estão a dar os primeiros passos para se tornarem numa Comunidade Nómada Digital, uma tendência que ganhou força com a pandemia de Covid-19, quando o trabalho remoto tornou-se numa realidade para muitas pessoas. A partir do dia 30 de outubro entra em vigor o visto do Nómada Digital um programa que permite morar e trabalhar em Portugal, durante um ano.

Sara Esteves

 


Subscrever newsletter



Login



Recuperar acesso